Doces Mexicanos

Continuando a série sobre a culinária mexicana, a Flávia, nossa colaboradora, escreveu sobre os doces do México. Este post é justamente para adiar a dieta que você começaria hoje!! 🙂

A culinária mexicana é rica porque preserva muito da culinária pré-hispânica (antes dos espanhóis chegarem ao país), mas se deixou aperfeiçoar através dos tempos e da influência espanhola principalmente.
Mas o que falar de doces no país onde nasceu o chocolate? Os maias e astecas já preparavam bebidas e doces com as sementes de cacau. Essas sementes eram tão valorizadas que também eram usadas como moeda pelos astecas.

E de onde as crianças de algumas comunidades indígenas brincam e comem certas formigas? Que chamam de “meleras” porque tem uma bolsinha com um líquido doce que chamam de mel. Atualmente essas formigas recebem nomes de acordo com a cor da sua bolsa de mel: as de cor marrom escuro recebem o nome de formigas Coca Cola e é a mais doce de todas; as de cor amarelinhas, de sabor um pouco mais ácido, é chamada de formiga manteiga; as de cor intermediaria, são chamadas de formigas doces. (Fonte: Wikipédia)

Já fui a mais de um almoço onde os convidados, em lugar de levar flores à dona da casa como agradecimento pelo convite, levam uma cestinha de doces típicos. E também já vi mexicanos comprarem esses doces para presentear estrangeiros de passagem pelo país.

Os doces artesanais são muito tradicionais e se pode comprar em lojas próprias e pequenas ou em supermercados grandes. Ou seja, é muito fácil de encontrar.

Elaborei uma lista de doces artesanais mexicanos:

Palanqueta: é o nosso pé de moleque.

Palanqueta (Fonte: delyfood.com)

Alegría: é um doce feito de amaranto e mel (ou açúcar). O Amaranto é um cereal com mais proteína que outros como o trigo, arroz e milho. E tem a vantagem de que não contem glúten, ou seja, é apto para celíacos. Gostoso e nutritivo!!

Alegría (Fonte: alenarterevista.wordpress.com)

Dulces cubiertos: são as frutas cristalizadas. Mas as frutas inteiras cristalizadas. E tem os tradicionais figos, a abóbora (não inteira, mas cortada em pedaços grandes), pêra. O mais diferente, pelo menos para mim, é o limão cristalizado recheado de coco como de cocada.

Limão cristalizado recheado com coco (Fonte: mexicocooks.typepad.com)

Garapiñados: esses são os melhores!! São amendoim, nozes e amêndoas cobertas com uma calda de açúcar quente, que quando seca fica uma camada grossa e deliciosa.

Garapinados (Fonte: elmodelo.com.mx)

Ate: o de goiaba é parecido com a nossa goiabada. O de “membrillo” é o doce de marmelo… pode ser feito de várias frutas.

Ate de Membrillo (Fonte: simplyrecipes.com)

As curiosidades:

Acitrón: já tinha comido esse doce, mas ninguém sabia me dizer o que era e tive que pesquisar para escrever: é a polpa cristalizada de um cactus que só existe no México. Mas mesmo não sabendo o que era, eu comia. É bom, não é uma delícia, mas é bom. Se usa para decorar pães e bolos com frutas cristalizadas.

Acitrón (Fonte: deliciasprehispanicas.blogspot.com)

Calaveritas: as mais tradicionais são as de açúcar, mas existem de chocolate ou amaranto (como a Alegria). São em forma de caveiras e decoradas com muita cor. O costume é presentear amigos (ou não, depende do ponto de vista…) em Dia de Muertos com caveirinhas doces com o nome do amigo escrito na testa da Calaverita.

Calaveritas (Fonte: agridulce.com.mx)

Estas vem com o nome das pessoas!! (Fonte: www.tribunalatina.com)

E para não ficar muito longa, poderia citar as obleas (“solas o con pepitas!”), las cocadas, los camotes…

Oblea (Fonte:comunicacion.promexico.gob.mx)

Camote (é uma batata doce) – (Fonte: cocina.org)

Anteriores

Inverno suíço x inverno brasileiro

Próximo

Vale a Pena Conhecer: Newport – Rhode Island

14 Comentários

  1. LUCIANA GIRARDI NESSI

    Ana e Flávia…que rico!!!Tive vontade de provar todos…até o Acitrón!O que é aquele limão recheado com coco…hummm…Adorari receber una canastita rellena de dulces…só não precisa colocar meu nome na calaverita…rsrsrsrs…Beijos para as duas!!!

  2. Patricia Lopes

    Adorei o post. Realmente dá muita vontade de fazer um turismo gastronomico. Hummmm que delicia!

  3. Flávia

    Lu, tu n acredita: tem uma loja-cafeteria dos alfajores Havana a umas 5 quadras da minha casa!!! uma perdicao!
    Meninas, venham fazer turismo gastronomico no Mexico!!! Na minha gravidez teve um mes que eu comia uma bolsinha de amendoim (esse cacahuate garapiñado) todo santo dia!!!

    • Ana

      o que??? tem alfajor aí??? quando eu posso ir hein?? vou comprar a passagem e voltar com 20kg a mais…hahahah no corpinho!!! hahahaha

  4. Flávia

    to te dizendo que vale a pena!!! mas vcs n querem acreditar!!! ahahhaha

  5. Letícia Leite

    Olá Ana, boa noite.
    Estou fazendo um trabalho sobre confeitaria mexica, e estou tendo muito trabalho rsrsrsrsrs.
    Hoje por um acaso achei seu blog, se vc tiver mais alguma coisa poderia me enviar por e-mail, ficarei uito grata.
    Neste estilo mesmo, o que é, de que é feito, alguma curiosidade..

    Desde já agradeço.

    Att,
    Letícia Leite.
    Brasil, Esp. Santo – Vitória

  6. maria eduarda

    oi Ana!! tenho um trabalho pra escola e preciso de ajuda, mais eu queria assim uma receita de bolo mexicano….
    por favor preciso mt da sua ajuda
    bjss

  7. oi Maria Eduarda,
    dê uma olhada no último comentário acima do seu. Nele tem sugestões de sites com receitas mexicanas. OK?
    Abraços,

  8. PATRICIA MAYUMI SALEMA ISHIZU

    ¡Hola!
    Adorei o blog! Vou ao México a passeio no final do mês, eu gostaria de levar doces brasileiros de presente para minha amiga, você saberia que doces brasileiros não existem no México? ¡Gracias!

    • Flavia

      Brigadeiro!! É o doce brasileiro q mais suceso fazia entre os mexicanos. Se vc tiver oportunidade de fazer, tem todos os ingredientes para comprar no supermercado, somente uma dica: coloque metade da manteiga q vc coloca para o brigadeiro com leite condensado brasileiro.
      Dos industrializados, pode levar pipoca doce, sonho de valsa, prestigio!
      Boa viagem!!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén