Como é viajar pela TAP : Zurique – Porto Alegre

Em 7 anos de Suíça, a gente sempre foi de férias para o Brasil pela Swiss. Sempre saímos de Zurique com destino a Porto Alegre e com a Swiss fazíamos a conexão em Guarulhos. Neste ano, fomos de TAP porque a TAM (que faz o trecho Guarulhos – Porto Alegre) não é mais parceira da Swiss e por isso comprar uma passagem só para todo o trecho ficou difícil. Antes, a gente comprava tudo pelo site da Swiss e ok. Agora, a gente precisaria ir até o balcão da Swiss no aeroporto de Zurique para poder comprar o trecho completo. E isso, a gente considerou muito trabalho.

Em relação a preço, a Swiss e a TAP sempre se equivaleram. Como os horários da TAP sempre fariam com que a gente dormisse uma noite em Lisboa, o custo do hotel seria a diferença de valor entre as duas companhias.

É que o voo que teríamos para seguirmos direto, sem paradas para dormir na capital portuguesa, sai de Zurique às 6h 30min. E os trens na Suíça só funcionam a partir das 5h. E táxi, de onde moramos (a 30km de Zurique), custa 100 francos. E com este valor, minha gente, posso fazer muita coisa!!!!

Desta vez, como planejamos passar 30 dias no Brasil, comprar pela TAP foi vantajoso pelo valor e porque poderíamos ficar uma noite em Lisboa e conhecer a cidade.

Mas de início já vimos uma diferença em relação à Swiss. O horário e dia da viagem começaram a se alternar no site da TAP. Em fevereiro percebemos que nosso voo, que seria numa quinta-feira, passou para sexta-feira e com o horário das 6h30min (que a gente não queria). Pois o voo que tínhamos comprado não existia mais. Depois de uma longa conversa com a companhia, conseguimos que nos colocassem num voo pela Swiss (olhem a ironia do destino) para irmos até Lisboa. Passaríamos uma noite por lá e na manhã seguinte partiríamos para Porto Alegre.

No dia da nossa viagem, o estresse começou ao fazermos o check in. Como este primeiro trecho seria feito com a Swiss, mas foi vendido pela TAP, os funcionários da Swiss não conseguiam dar OK para realizar nosso check in, pois não encontravam nossas informações no sistema deles (que ainda não estava integrado com o das companhias parceiras). Sorte que chegamos cedo no aeroporto de Zurique e, depois de quase 40 minutos no guichê da Swiss, deu tudo certo.

Presente da Swiss para o Lukas, no voo Zurique - Lisboa.
Presente da Swiss para o Lukas, no voo Zurique – Lisboa.
Presente da Swiss para a Ana Julia, no voo Zurique - Lisboa.
Presente da Swiss para a Ana Julia, no voo Zurique – Lisboa.
Refeição do voo Zurique - Lisboa. Como nosso voo saiu às 12h de Zurique, serviram uma refeição e não lanche. Era um arroz com frango e curry, gelado. Parecendo uma salada.
Refeição do voo Zurique – Lisboa. Como nosso voo saiu às 12h de Zurique, serviram uma refeição e não lanche. Era um arroz com frango e curry, gelado. Parecendo uma salada. De sobremesa era creme de caramelo. E tinha um pãozinho que eu comi antes da foto!

Só que aí, apareceu outro problema. Os assentos que tínhamos comprado para a volta do Brasil, estavam completamente diferentes dos que havíamos marcado na nossa passagem. Quando percebemos, estavam eu, marido e filha espalhados pelo avião. Mas calma…tínhamos tempo para ver isso. Ao chegarmos em Lisboa, fomos atrás da solução deste engano.

No balcão da TAP o funcionário disse que não poderia fazer nada, já que no sistema os assentos eram outros e não podia alterar. A chance para resolver isso era apelar para as pessoas no voo e pedir para que trocassem de lugar, tentar na hora do check in da volta, em Porto Alegre, alguma solução ou jogar toda esta situação nas redes sociais e esperar as respostas.

Optamos por esperar e no final deu tudo certo (de novo). Quando fizemos check in em Porto Alegre a moça do guichê logo falou que tinha reorganizado nossos lugares para ficarmos juntos. Nossos assentos de ida e vinda eram os primeiros da fila ao entrar na econômica (onde é possível colocar o berço, tipo uma cestinha, para bebês). Estes assentos nós conseguimos comprando pelo site da TAP, sem maiores problemas no momento da compra. Uma coisa chata que aconteceu foi que a comissária de bordo do voo de Lisboa –  Porto Alegre não quis colocar o berço para o Lukas. Na parede do avião (onde é fixado o berço), dizia que o peso máximo para ele era de 11kg. O Lukas tinha 10kg na época da viagem e a comissária disse que os 11kg era contando o peso do bebê e do berço. Eu falei para ela que nunca tinha ouvido falar nisso e contestei ela. Mas não adiantou. Em compensação, na volta a comissária me perguntou se eu queria o berço e logo arrumou ele para mim. Às vezes a gente pega uns sem vontade de ajudar! Acontece! Mas saiba você que o peso máximo indicado é somente do bebê. E não conta o peso da cestinha.
IMG_9641
Bem…durante os voos tudo correu bem. Ana Julia tinha os entretenimentos, o Lukas tinha o berço e o espaço no chão para brincar. As crianças sempre ganham uns brinquedos, algo para distraí-las durante o voo. Tem também as atrações do monitor, que são filmes, jogos, músicas para ajudar a passar o tempo. Para os adultos também tem as mesmas atrações. Eu aproveitei e assisti o documentário sobre Malala (a menina paquistanesa que foi prêmio Nobel).

Presente da TAP para a Ana Julia no voo Lisboa - Porto Alegre e Porto Alegre - Lisboa.
Presente da TAP para a Ana Julia no voo Lisboa – Porto Alegre e Porto Alegre – Lisboa.
Presente da TAP para o Lukas no voo Lisboa - Porto Alegre e Porto Alegre - Lisboa.
Presente da TAP para o Lukas no voo Lisboa – Porto Alegre e Porto Alegre – Lisboa.

IMG_9967
IMG_9964 IMG_9645

As atrações para as crianças, no monitor.
As atrações para as crianças, no monitor.

As refeições foram rapidamente servidas e tinha papinha para bebê no avião, também (somente a de frutas). Mas a papinha eu tive que pedir e então descobri que tinha. (Porque eu lembrei que na época de viajar com a Ana Julia bebê, a Swiss oferecia as papinhas).

Na hora da refeição, uma diferença: na Swiss, as crianças eram servidas primeiro que o restante dos passageiros. Na TAP, não. Todos foram servidos ao mesmo tempo.

IMG_9966
Sempre tem duas opções de prato nos voos intercontinentais (classe econômica). No jantar do nosso voo Lisboa – Porto Alegre era peixe (salmão com purê de batata) ou carne com purê de batata. De sobremesa era pudim.
Café da manhã no voo Porto Alegre - Lisboa.
Café da manhã no voo Porto Alegre – Lisboa.

Um momento engracado foi quando a comissária de bordo passou oferecendo as bebidas, na hora do jantar (na viagem de ida para o Brasil) e meu marido viu que tinha espumante. Ela ofereceu: “Suco ou água, senhor?”. Ele pediu a espumante. E ela repetiu a pergunta: “Suco ou água, senhor?”. Eu me segurando para não rir e ele perguntou se poderia tomar a espumante, porque ele viu a garrafa. Daí ela, meio sem graça, pegou um copo e serviu ele.

Refeição do voo Lisboa - Zurique, na volta para casa.
Refeição do voo Lisboa – Zurique, na volta para casa.
Refeição do voo Lisboa - Zurique, na volta para casa.
Refeição do voo Lisboa – Zurique, na volta para casa.

Nossos voos foram:
1 de julho de 2016: Zurique – Lisboa (voo operado pela Swiss)
2 de julho de 2016: Lisboa – Porto Alegre (voo operado pela TAP)
1 de agosto de 2016: Porto Alegre – Lisboa (voo operado pela TAP)
2 de agosto de 2016: Lisboa – Zurique (voo operado pela TAP)

*************************************************************

Aproveite para acompanhar o Pelo Mundo Blog pelas redes sociais:

Facebook
Twitter
Google +
Instagram

5 comentários em “Como é viajar pela TAP : Zurique – Porto Alegre

  • setembro 6, 2016 em 8:23 pm
    Permalink

    Até hoje eu nunca consegui fazer uma viagem que tenha dado tudo 100% certo. Algumas vezes o problema era nas companhias aéreas, outras com as próprias pessoas que não sabiam lidar com o fato de estarem sentadas em um avião e não em casa. Teve uma vez que uma mulher viajou de Zurique até Porto Alegre (com troca de avião em São Paulo) com 2 bebês e em nenhum momento ela pegou eles no colo ou tentou acalmar os pequenos. Eles choraram o percurso inteiro e nós sempre tivemos o azar de estar com aquela desnaturada no avião. Nunca na vida tinha visto pessoalmente uma mãe que não se importa com os filhos… Nem papinha, nem leite ela ofereceu para o bebê. Estava exatamente do lado e não consegui dormir 5 minutos por causa das crianças, imagina para as pessoas com mais idade como essa viagem foi terrível.
    Outro caso foi um homem brigando com a namorada/esposa e gritando horrores com ela. Pois é… em ambos os casos nem com interferência de comissárias de bordo o problema foi resolvido 🙁 Ryanair é outra que eu não sei se compro ticket mais hahaha
    Fico feliz que suas crianças (e vocês também) tenham feito boa viagem. Problemas sempre tem, o que interessa é sempre ver o lado positivo e saber resolver eles com calma.
    Beijos!

    Resposta
    • setembro 11, 2016 em 10:25 pm
      Permalink

      Nem me fale Bruna…..na vinda, atras do nosso banco (aqueles como 4 lugares, no meio do avião) tinha um casal que estava vindo visitar a filha deles. Mas olha…eles conversaram toda a viagem e num tom de voz como se estivessem num barzinho. E pra piorar, cada um sentou na poltrona (uma de cada canto da fila) que fica no corredor e conversavam assim, longe um do outro e pra todo mundo no avião escutar. Minha sorte foi que meus filhos conseguiram dormir.

      E tadinhos destes bebês que vc falou que acompanhou o voo, hei? que tipo de mãe é esta??? Eu fico passada com estas coisas. Viajar com crianças geralmente é loteria. Os meus ainda não me deram trabalho como chorar muito no voo. Só ficam perambulando pelo avião enquanto não decola e não servem a comida. Mas também ja vi crianças sentirem muita dor no ouvido ou não conseguirem dormir durante a viagem. Tenho pena dos pais, porque não tem o que fazer (no voo de Lisboa- POA teve um menino de 2 aninhos que não dormiu. Os pais deram Dramin pra ele e a criança não dormiu mesmo assim). Mas tem gente que não vê que a criança não tem culpa, nestes casos. E nem os pais.

      Beijos

      Resposta
  • setembro 7, 2016 em 12:50 pm
    Permalink

    Oí Luiza, sou do Ceará e viajo com a TAP a 13 anos, até porque é a única line áerea que vai pra Fortaleza com uma escala em Portugal. Já passei também por varias situações. Mais a pior de todas foi pagar a passage mais cara de todas. E viajar num avião caindo os pedaços:

    – O assento da poltrona tinha buraco
    – Onde era pra ser um Display só tinha um buraco
    – Não tinha música pra escutar
    – E a refeição só tinha uma, nem perguntavam só servia
    – O avião se balançava todo, pensavamos que não iriamos chegar inteiro no Brasil
    – Aeromoça não falava português

    E tudo isso porque a TAP estava em greve e colocou um avião da frota Russia a disposição.

    Toda vez que viajo com a TAP tem sempre alguma coisa. E é exatamente por isso que dá próxima vez que for para o Brasil vou viajar com outra linea áerea, nem que pra isso tenha que ir pro Rio de Janeiro, e de lá pegar um vôo doméstico para o Ceará. Me cansei.

    TAP não aconselho pra ninguém!!!

    Beijos

    Resposta
    • setembro 11, 2016 em 10:02 pm
      Permalink

      Oi Márcia….realmente a TAP é sempre uma surpresa. Meus pais sempre vem nos visitar e voam de TAP. Eles adoram. Uma amiga que mora aqui e também tem família em fortaleza, odeia a TAP.
      Beijos

      Resposta
  • janeiro 9, 2017 em 11:19 pm
    Permalink

    Tenho amigos que não trocam a Tap por nada, eu já viajei nela e nada a apontar.
    Apenas uma história que me lembrei a propósito da do peso do bebé e da cama 🙂 um dia ao entrar no avião a comissária também implicou com a nossa mala, disse que era muito grande que tinha que ir para o porão, eu disse á senhora que a mala estava dentro das medidas e para o porão não ia… ela continuou a implicar, porque disse que se não houvesse lugar no sitio próprio teria que ir para o porão (fomos os ultimos a entrar no avião)…
    eu disse-lhe que eramos 3 passageiros e só tinhamos uma mala e como tal teria que mandar desocupar a tralha que estivesse a ocupar a nossa bagageira e enviasse essas coisas para o porão porque haveria pessoas que tinham mais malas que o permitido…. ficou mal disposta mas passou até porque a mala coube no sitio, mas no fim da viagem ainda veio com a mesma conversa de que a mala numa proxima viagem poderia não passar, e eu insisti que a mala está dentro das medidas ahahaha

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *