O caminho inverso

Nosso voo atrasou desde que saímos de Zürich. Ficamos dentro do avião 1 hora e meia, pois estava nevando muito.

Foi então que, durante todo este tempo, nossa filha acordada corria entre a classe business e a econômica(onde a gente estava) sem parar. E eu torcendo para ela ir até a primeira classe para eu buscá-la e assim conhecer o desejado lugar, pelo menos de longe. Claro que sentiria uma leve depressão, mas nada grave.

Foi então que começamos a “fazer” amigos. Havia um casal de aposentados ao nosso lado. Ele com 68 anos e ela com 62 anos. Eles ouviram umas conversas entre eu e meu marido e a senhora resolveu perguntar a idade da nossa filha. A pergunta foi em português, ruim, mas entendível (imaginei eu tentando falando em alemão com os suíços. Deve ser de chorar!). Foi então que a conversa se estendeu entre a gente. E eu sou daquelas pessoas que tem pavor de conversar durante viagens. Não gosto, prefiro dormir, olhar um filme. Mas conversar não é comigo. E durante o bate papo o casal, muito simpático, falou que estava indo de férias para o Brasil. E pasmem, eles fazem isso há algum tempo. Tanto que já conhecem muitas cidades e têm amigos no país.

O roteiro deles agora é um cruzeiro que sairá de Santos. E depois irão para Curitiba e Timbó – SC. Por sinal, em Timbó eles compraram um apartamento, que é onde ficam nos meses que estão no Brasil. Sim, meses. Porque eles chegaram e dezembro e só voltam para a Suíça em março do ano que vem.

Eles também contaram que saltam de parapente e asa delta. Me senti uma velha perante aqueles senhores. Além de caminhadas, que eles também adoram. Que vergonha…preciso fazer algo mesmo.

A conversa foi tanta que eles conhecem Jaraguá do Sul (onde a gente morava antes de sair do Brasil), Pomerode – SC, Gramado e Canela e também Novo Hamburgo. Coincidência ou não, estas cidades são de imigração alemã. Claro que eles sabiam, mas o senhor foi bem rápido ao dizer: “Mas nós não buscamos os alemanes.” Sim, se é para ver alemão, ficariam na Suíça. E o que eles mais gostam é de falar português.

Eles não têm filhos e aproveitam seu tempo assim. Alguns meses no Brasil e o restante do ano na Suíça. Que coisa….o sentimento entre nós e eles era o mesmo. Nós querendo novos desafios fora do Brasil e aproveitar para conhecer lugares novos. E eles apaixonados pelo Brasil e felizes por poderem ficar o máximo de tempo aqui. Isso não significa que não tenhamos amor pelo nosso país. Mas fiquei encantada com o carinho deles pelo Brasil e a felicidade em cada frase dita em um português meio estranho.

A mal educada aqui não perguntou nem o nome deles, mas o que valeu mesmo foi o exemplo deste casal. Quero aproveitar a vida como eles quando estiver aposentada. Feliz e realizando sonhos!!!

PS: Hoje é aniversário da Grace, que também é “proprietária” do Pelo Mundo. Parabéns Grace!!! Muitas felicidades!!

Um comentário em “O caminho inverso

  • dezembro 20, 2010 em 4:15 pm
    Permalink

    Adorei o post de hoje…que legal Ana, vc saiu de Jaragua do Sul, e eu morava em Sao Bento do Sul, ha 54 km de distancia.
    E sobre a viagem, tbm nao sou mto a favor das conversas qdo viajo, mas sempre tem alguem que puxa assunto ne.
    Em uma das minhas viagens pra ca, conheci um brasileiro que morava ah 13 anos na Espanha, e passou uma temporada na Italia, aprendeu tdo sobre culinaria e depois voltou ao Brasil…ate que a conversa foi interessante, pq falamos do que eu gosto, kkkkk…cozinha.
    Ai que egoista eu sou…afff
    Continue postando…to adorando cada vez + o blog.

    Resposta
    • dezembro 21, 2010 em 4:21 pm
      Permalink

      Regiane, sério que você morou em São Bento? Minha nossa…o mundo é realmente muito pequeno. Apesar de ser perto de Jaraguá, nunca fomos até São Bento. Olha só que coincidência. E fico feliz que está gostando do blog. Beijos,

      Resposta
  • dezembro 21, 2010 em 9:34 am
    Permalink

    Pois é, tem muita gente que gosta do Brasil. Até a gente!! rsrs
    E fugir do inverno suíço para passar férias desse tipo no Brasil é uma maravilha!
    Bjs!

    Resposta
    • dezembro 21, 2010 em 4:22 pm
      Permalink

      É Eve…este casal tinha mais jeito de brasileiro que de suíço. Conversavam horrores…hahahaha Beijos,

      Resposta
  • fevereiro 17, 2015 em 7:36 pm
    Permalink

    Amada…não precisa estar APOSENTADA para aproveitar a vida!!1 A vida se aproveita todo dia!! eu por exemplo faço o mesmo que este casal…meu marido e eu viajamos ao Brasil em Dezembro e regressamos as vezes antes ou depois da Páscoa pois resolvemos que não queremos ver neve, passar o inverno tenebroso daí! Passamos no litoral norte do estado de Sao Paulo,não somos aposentados mas aproveitamos a vida sim e muito! bisous|!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *